O que é avaliação psicológica e quais técnicas engloba? - Sinopsys Editora
51 3600.6699 Horário de atendimento: De Seg a Sex das 8h às 23:59h, sem fechar ao meio-dia (Exceto em feriados).
Olá, Faça seu login

Informe seu e-mail para que uma nova senha seja enviada

Voltar
0
Carrinho
Produtos

0
O que é avaliação psicológica e quais técnicas engloba?

O que é avaliação psicológica e quais técnicas engloba?

29 de Abril de 2022

Avaliação psicológica é definida pela Resolução nº 009/2018 do Conselho Federal de Psicologia (CFP) como um processo estruturado de investigação de fenômenos psicológicos composto de métodos, técnicas e instrumentos com o objetivo de prover informações à tomada de decisão, no âmbito individual, grupal ou institucional, com base em demandas, condições e finalidades específicas.


Entre essas técnicas, constam entrevistas, observação direta do comportamento, dinâmicas, testes psicológicos, tarefas experimentais, técnicas projetivas e expressivas, entre outras, desde que devidamente fundamentadas na literatura científica e nas normativas vigentes do CFP.

O recomendado é que o profissional utilize diferentes técnicas para a coleta e validação de informações para que o estudo psicológico da pessoa em avaliação resulte em um quadro que represente fidedignamente seu real e atual funcionamento.

A abordagem multimétodo de coleta de dados possibilita a triangulação de informações de modo que o psicólogo tenha disponível uma variedade de dados que fundamentarão suas decisões ao final do processo.


ASPECTOS VERBAIS E NÃO VERBAIS


Na avaliação psicológica, tanto os aspectos verbais quanto os não verbais são de igual importância para o entendimento do funcionamento psicológico do indivíduo que está sendo avaliado.

O conteúdo das narrativas possibilita que o psicólogo levante diferentes tipos de informações, como autopercepções, valências afetivas atribuídas às experiências, formas de representações dos outros, memórias de fatos e eventos de vida.

Para além do conteúdo narrativo, as expressões comportamentais, as atitudes e as condutas das pessoas são também fontes ricas de informações. O profissional pode identificar incongruências entre o conteúdo narrado e o comportamento expresso acerca de uma percepção, assim como observar reações comportamentais durante o processo avaliativo que indicam estados emocionais.


ENTREVISTA


A entrevista é a principal ferramenta dos psicólogos para a prática da avaliação psicológica no contexto clínico. Por meio dela, eles podem acessar o mundo interno do paciente, suas representações, crenças, visões de si, do outro e de mundo, suas experiências, etc. Para tanto, é importante que conheçam e dominem técnicas de condução de entrevistas.

Sabe-se que diferentes contextos de atuação, como o escolar, hospitalar, forense, organizacional, entre outros, demandam posturas e condutas diferenciadas no psicodiagnóstico. Contudo reconhece-se que existem aspectos e técnicas de entrevista que são compartilhados entre os diferentes contextos de atuação.

Os tipos de entrevista em uma avaliação psicológica podem ser classificados de acordo com seus aspectos formais: de livre estruturação, semiestruturada e estruturada. A primeira implica maior protagonismo do entrevistado, a segunda compreende uma diretividade compartilhada e, na terceira, o entrevistador assume um papel mais diretivo.

O tipo de livre estruturação permite que o paciente protagonize a entrevista falando dos temas e assuntos que lhe vier à mente. No psicodiagnóstico, esse tipo de entrevista não é comumente usado devido ao limite de tempo que o processo tem. Contudo não há nenhuma contraindicação.


SEMIESTRUTURADA


Por sua vez, a entrevista semiestruturada permite a troca de protagonismo entre o profissional e o paciente. O clínico geralmente tem um roteiro com pontos previamente estabelecidos para serem esclarecidos, mas sua sequência não é fixa e permite que o paciente inclua novos assuntos e produza em seu ritmo.

O tipo de entrevista semiestruturada mais comum na prática da avaliação psicológica é a entrevista de anamnese. Nessa modalidade, o psicólogo busca investigar aspectos do desenvolvimento, de saúde, de contexto, intra e interpessoais.


ESTRUTURADA


Por fim, as entrevistas estruturadas se caracterizam pelo protagonismo do clínico, o qual possui um roteiro fixo a ser seguido e geralmente deve ter critérios claros e objetivos de codificação das respostas dos pacientes.

As principais representantes dessa modalidade de entrevista são as entrevistas clínicas estruturadas para o Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (DSM-5).

Nesse caso específico, é recomendado que os psicólogos tenham profundo conhecimento de psicopatologia de acordo com o sistema de classificação do DSM-5.

Durante esse tipo de entrevista, eles verificam, por meio de perguntas e provas (perguntas complementares que comprovem o sintoma), se um determinado sintoma está presente ou não, assim como o nível de atenção clínica do sintoma presente.

Esse tipo de entrevista aumenta a fidedignidade das conclusões, uma vez que a forma estruturada e os critérios objetivos a uniformizam, aumentando a concordância entre avaliadores.


CONDIÇÕES COGNITIVAS


Todos esses três tipos de entrevistas podem ser aplicados com pessoas de qualquer fase do ciclo vital, desde que tenham condições cognitivas para isso. Eles também podem ser aplicados com outros informantes com o intuito de validar informações ou coletar novos dados.

Finalmente, quando se trata de entrevista com crianças, técnicas específicas usando brinquedos ou outros materiais lúdicos são recomendadas.


LITERATURA


Avaliação psicológica: contextos de atuação, teoria e modos de fazer
O livro "Avaliação psicológica - Contextos de atuação, teoria e modos de fazer", organizado pelos psicólogos Sabrina Martins Barroso, Fabio Scorsolini-Comin e Elizabeth do Nascimento, aborda aspectos teóricos e práticos da atuação do psicólogo em avaliação psicológica em diferentes contextos atuais e emergentes, como o contexto jurídico, cirurgia bariátrica e porte de arma.

Além dos aspectos teóricos, todos os capítulos contam com um estudo de caso/ilustração prática referente à temática trabalhada no capítulo baseado em uma experiência real dos autores. Com uma linguagem técnica, mas acessível, psicólogos e estudantes de psicologia têm nesta obra indicação de testes psicológicos e exemplos de uso de informações em laudos.

Avaliação psicológica: contextos de atuação, teoria e modos de fazer
Outras do Blog

Tags

Avaliação psicológica, Conselho Federal de Psicologia, DFP, entrevista, psicodiagnóstico, técnicas de avaliação, testes psicológicos

Mais

Vistos

Saiba antes de promoções e lançamentos



Curso de Formação em Terapia do Esquema

de 28/01/2022 até 28/01/2023 - On-line e ao vivo no ZOOM.

Ler mais Outros Eventos

51 3600.6699

Horário de atendimento:
De Seg a Sex das 8h30 às 18h,
sem fechar ao meio dia (Exceto em feriados).

copyright © 2020 Sinopsys Editora. Todos os direitos reservados