Educação para surdos: desafios da realidade brasileira - Sinopsys Editora

0
Educação para surdos: desafios da realidade brasileira

Educação para surdos: desafios da realidade brasileira

17 de Junho de 2021

Mesmo com avanços na legislação brasileira, vários problemas persistem na educação para surdos desde o ensino básico ao superior. Tais obstáculos estão ligados, principalmente, à carência de intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (Libras).

O impasse não é exclusivo do Brasil. De acordo com a Federação Mundial dos Surdos, 80% dos surdos do mundo todo têm problemas de alfabetização e baixa escolaridade, pois dependem da língua de sinais para se comunicar e obter informação.

A baixa escolaridade da comunidade surda também dificulta seu ingresso no mercado de trabalho. Conforme dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), somente 0,8% das mais de 10 milhões de pessoas que declararam ter deficiência auditiva ao IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) trabalham com carteira assinada.

INTÉRPRETE

A atuação do intérprete da língua de sinais, portanto, é essencial na educação para surdos, pois, sem a sua presença, se torna impossível para esses alunos adquirirem conhecimentos e absorverem conteúdos ministrados na aula pelo professor ouvinte.

O objetivo não é apenas traduzir, mas buscar, juntamente com o professor, meios diferenciados de ensino para que o aluno surdo possa ser favorecido por uma aprendizagem especificamente elaborada e, consequentemente, eficiente.

Mais do que a presença do intérprete em sala de aula, é fundamental o envolvimento da comunidade escolar no processo, garantindo a efetividade do ato inclusivo.

Para que esse processo ocorra, é necessário criar um ambiente favorável no qual os alunos da comunidade surda possam desenvolver suas potencialidades, habilidades, competências e sua criatividade como qualquer outro aluno.

HISTÓRIA


Para entender os atuais desafios da educação para surdos, é preciso conhecer um pouco do contexto histórico que envolve essa comunidade.

As pessoas surdas foram recorrentemente excluídas do convívio social e da educação básica durante séculos, porque se acreditava que o pensamento não era desenvolvido sem a linguagem oral.

A exclusão se estendia inclusive a questões religiosas. Para a Igreja Católica, por exemplo, os surdos não podiam se salvar por não conseguirem confessar seus pecados.

Somente no século 17 é que surgiram as primeiras escolas de surdos na Europa. No Brasil, levou mais um tempo, pois o Imperial Instituto de Surdos Mudos, hoje, Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES), foi fundado em 1857 no Rio de Janeiro.

Na atualidade, devido à quantidade de pessoas surdas, muitos são os alunos, mas poucos são os professores que realmente estão preparados para atendê-los.

Além disso, mestres e doutores com surdez defendem que o ensino de pessoas surdas deve ser responsabilidade de professores surdos, por vivenciarem sua realidade.

Entretanto a quantidade de docentes surdos com nível superior ainda é baixa justamente por causa da dificuldade de acesso à educação. Um dos caminhos para trabalhar a raiz desse problema, portanto, é o da educação escolar inclusiva.

LEGISLAÇÃO


De acordo com o Decreto nº 5.626/2005, as instituições de ensino brasileiras devem garantir, obrigatoriamente, às pessoas surdas acesso à comunicação, à informação e à educação nos processos seletivos, assim como nas atividades e nos conteúdos curriculares desenvolvidos em todos os níveis, etapas e modalidades de educação.

A determinação vale desde a educação infantil até a superior, sendo previsto o ensino da língua portuguesa como segunda língua para pessoas surdas. No entanto a realidade da educação para surdos no Brasil é outra.

O que há, geralmente, é um quadro de professores com falta de capacitação, tanto no ensino regular, quando na educação especial. Carência de recursos financeiros para a complementação pedagógica é outro obstáculo.

PROJETOS


Nesse sentido, é fundamental que escolas das redes públicas e particulares desenvolvam maior quantidade de projetos inclusivos capazes de proporcionar melhores condições de aprendizado aos surdos.

A educação para surdos também precisa abranger a formação profissional por meio de cursos técnicos/profissionalizantes e da inclusão nas universidades públicas e particulares.

Tais projetos devem garantir a presença de intérpretes de Libras nas salas de aula e recursos multifuncionais capazes de atenderem às necessidades específicas das pessoas surdas. O incentivo para que os colegas ouvintes recebam aulas da língua de sinais também é importante para possibilitar a comunicação e a integração.
Outras do Blog

Tags

Dia Nacional da Educação de Surdos, Deficiência Auditiva, Surdez, Língua Brasileira de Sinais, Libras

Mais

Vistos

Saiba antes

de promoções

e lançamentos



Cursos

e Eventos

Evento Sergipano sobre TDAH

de 24/02/2024 até 24/02/2024 - Hotel Arcus - Aracaju

Ler mais Outros Eventos

Atendimento personalizado disponível de segunda a sábado das 8h às 18h(exceto feriados).

Este site usa cookies

Nós armazenamos dados temporariamente para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse.
Ao utilizar nossos serviços, você concorda com nossos termos e condições.
     
Item adicionado ao seu carrinho, o que deseja fazer agora?
Sinopsys Editora e Sistemas Eireli CNPJ: 10.740.484/0001-69