Educação para a morte: quebrando paradigmas - Sinopsys Editora
51 3600.6699 Atendimento personalizado disponível de segunda a sexta das 8h às 23h59 e aos sábados das 8h às 18h.(exceto feriados)
Olá, Faça seu login

Informe seu e-mail para que uma nova senha seja enviada

Voltar
0
Carrinho
Produtos

0
Educação para a morte: quebrando paradigmas

Educação para a morte: quebrando paradigmas

21 de Junho de 2022

Não há respostas simples ou únicas para a morte. Durante grande parte da vida, as pessoas frequentam instituições educacionais e se preparam para lidar com questões sociais e para o trabalho, mas nada para esse momento.



INDIVIDUAÇÃO


A educação para a morte apresenta a possibilidade do desenvolvimento pessoal de maneira mais integral, no sentido entendido pelo fundador da psicologia analítica, Carl Gustav Jung, como individuação: o desenvolvimento interior pessoal que ocorre durante a vida e que também pressupõe a preparação para a morte.

Esse desenvolvimento não precisa ocorrer no topo de uma montanha ou dentro de casa em isolamento, mas, sim, em sociedade e durante toda a existência. Envolve comunicação, relacionamentos, situações-limites, fases, perdas de pessoas significativas, doenças, acidentes, separações e confrontos com a própria morte.


PARADOXO


O tema morte se tornou proibido no século 20, sendo banido da comunicação entre as pessoas. Paradoxalmente, nesse mesmo século, a morte esteve — e continua a estar no século 21 — cada vez mais próxima das pessoas em função, sobretudo, do desenvolvimento das telecomunicações, da internet e das redes sociais.

Os aparelhos eletrônicos introduzem diariamente, em todos os lares, cenas de morte, violência, acidentes e doenças sem possibilidade de elaboração, dado o ritmo de notícias e informações.


SILÊNCIO


Embora essas mortes estejam tão próximas, ocorre grave distúrbio na comunicação, o que é denominado de conspiração do silêncio, em que se evita falar sobre o assunto com temor de que cause sofrimento.

Nesse contexto, crianças e adolescentes convivem com imagens de morte todos os dias ao mesmo tempo em que são "poupados" para não sofrer. Observam-se pais que não sabem se devem falar sobre a morte de um parente próximo e professores diante de perguntas insistentes sobre mortes de ídolos, de pequenos companheiros ou amigos.

Da mesma forma, observam-se profissionais da saúde que se empenham em uma luta de vida e morte contra doenças e que veem seus empenhos frustrados sem saber como falar com seus pacientes e familiares sobre o agravamento da doença e a possível morte.


ESCOLAS


O tema morte é pouco abordado nas escolas, a não ser em situações específicas em que ocorre um evento envolvendo a comunidade escolar.

Por isso, há educadores que propõem que o assunto seja incluído na programação das escolas e tratado em algumas disciplinas, como filosofia, literatura, ética e biologia.

Eles também defendem a necessidade de educação para a morte com várias modalidades e estratégias, as quais devem ter como foco aspectos cognitivos e emocionais, facilitando a sensibilização diante de questões pessoais e cuidados psicológicos.


FORMAÇÃO PROFISSIONAL


Educação para a morte também é preparar profissionais da saúde para lidar com esse momento. Com a priorização da ação de salvar o paciente a qualquer custo no hospital, a ocorrência da morte ou doença incurável faz o trabalho da equipe de saúde ser percebido como frustrante, desmotivador e sem significado.

Por isso, é apontada a importância de disciplinas sobre o tema na formação desses profissionais como forma de prepará-los para lidarem com pacientes gravemente enfermos e com os cuidados no final da vida.


LIVRO


Educação para a morte: quebrando paradigmas
O livro Educação para a morte - Quebrando paradigmas", escrito pela psicóloga Maria Julia Kovács e publicado pela Sinopsys Editora, apresenta uma base para a contextualização da educação para a morte.

O objetivo é subsidiar trabalhos em instituições de saúde, escolares, residenciais para idosos e tantas outras em que o tema se faz presente no cotidiano. Trata-se da busca de autoconhecimento e de sentido da vida a partir do que a morte ensina.

A obra é indicada para estudantes e profissionais de diferentes áreas, como psicologia, medicina, enfermagem, nutrição, fisioterapia, terapia ocupacional, educação e assistência social.

A autora é professora do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP), fundadora do Laboratório de Estudos sobre a Morte (LEM) do IPUSP e coordenadora do projeto Falando de Morte (filmes didáticos).

Educação para a morte - Quebrando paradigmas
Outras do Blog

Tags

Educação para a morte, morte escancarada, morte interdita, morte reumanizada, individuação, autoconhecimento, sentido da vida, educação, comunicação, profissionais da saúde

Mais

Vistos

Saiba antes de promoções e lançamentos



Curso de Formação em Terapia do Esquema

de 28/01/2022 até 28/01/2023 - On-line e ao vivo no ZOOM.

Ler mais Outros Eventos

Atendimento personalizado disponível de segunda a sexta das 8h às 23h59 e aos sábados das 8h às 18h.(exceto feriados)

copyright © 2020 Sinopsys Editora. Todos os direitos reservados